Leia = A Ilusão de Ícaro…

Baixar-Livro-A-ilusao-de-icaro-Seth-Godin-em-PDF-ePub-e-Mobi-370x526Estar no meio de mudanças profundas, perceber, detectar e analisar estas transformações e ainda apontar caminhos não é tarefa fácil. Enquanto alguns teóricos qualificam os tempos atuais como a Era do Conhecimento, o especialista em Marketing Seth Godin delimita o fim da Era Industrial e alinha uma série de pensamentos, reflexões e frases em seu livro “A Ilusão de Ícaro - Exemplos na Vida e No Trabalho de Pessoas Que Ousaram Voar Mais Alto”. Segundo o autor, palestrante renomado na Terra do Tio Sam, com o fim da Era Industrial chega ao fim a era da segurança do trabalho para dar lugar à arte, a não conformidade, ao compartilhamento. E vai mais além ao estabelecer a diferença entre a Zona de Conforto e a Zona de Segurança.

Logo no início Seth Godin explica melhor o mito de Ícaro, a lenda grega que conta sobre a fuga da prisão de Ícaro e seu pai Dédalo, que construir asas fixadas com cera. Segundo Seth Godin a parte que chama a atenção é a que Ícaro desobedeceu Dédalo que chamara a atenção para não voar muito alto, pois a proximidade com o sol derreteria a cera. Como não ouviu o pai, Ícaro caiu ao mar.

“A parte do mito que não lhe contaram: além de dizer a Ícaro para não voar muito alto, Dédalo instruiu o filho a não voar muito perto do mar porque a água destruiria a sustentação das asas”, analisa Godin. E continua: “A sociedade mudou o mito, incentivando-nos a esquecer a parte sobre o mar, e criou uma cultura na qual somos constantemente lembrados dos perigos de nos levantarmos, nos destacarmos e criar um tumulto (...) É muito mais perigoso voar baixo do que muito alto, porque parece seguro voar baixo”, conclui.

Em tempos que a palavra criatividade é diuturnamente apontada como antídoto para a palavra crise, o autor insiste na arte como a saída e a necessidade mais premente na Era pós-industrial. Mas não trata o artista como um ser com dons acima dos normais. “Arte não é um gene ou um talento específico. Arte é uma atitude, direcionada culturalmente e disponível para qualquer pessoa que decida adotá-la. (...) Arte é o trabalho único de um ser humano, trabalho que emociona o outro”.

Para Seth Godin, “a economia não está quebrada; está diferente”. Segundo ele, “os bons empregos que eram a espinha dorsal da nossa cultura (empregos estáveis em escritórios onde o respeito e o salário alto eram acompanhados de credenciais e obediência) estão desaparecendo, deixando angústia em seu rastro”. E afirma, para desespero dos catastrofistas e saudosistas: “A economia na qual vivemos atualmente é muito diferente daquela em que nossos pais cresceram. (...) Temos lojas enormes, espaços enormes para armazenamento e dívidas imensas. Mas ainda assim somos solitários. E ainda assim ficamos entediados. A economia da conexão funciona porque seu foco está no solitário e no entediado. Funciona porque inclui a pessoa, e não a multidão; o estranho, e não o normal.

Ao final de uma série de pensamentos, citações, puxões de orelha e exemplos de pessoas reais, Seth Godin encerra seu livro com o “Abecedário do Artista”, um espécie de glossário de A a Z, com mais dicas e pensamentos. E na letra Y, Youth (juventude) revela um pouco mais da inquietação do autor:

“Juventude não é um número, é uma atitude. Muitos artistas inovadores, mesmo os mais velhos, são jovens. A arte não é um destino genético ou cronológico; é uma escolha aberta a qualquer pessoa disposta a trocar a dor pela magia.”

 

Ficha técnica:

A Ilusão de Ícaro - Exemplos na Vida e No Trabalho de Pessoas Que Ousaram Voar Mais Alto – Seth Godin, 350 páginas, Editora Elsevier Campus

 

 

 

No Comments Yet.

Leave a comment