Solidariedade aos Pataxós Hã Hã Hães

A situação emergencial dos Pataxós se complica a cada dia. Ontem faltou gás para algumas famílias com crianças, que começaram a chorar de fome. Nos próximos dias, vence o segundo mês de aluguel. A dívida, só em um dos locais em que estão, vai para a casa de 12 mil. Estão sendo ameaçados por alguns proprietários com histórico de violência. As medidas judiciais estão em curso, mas os procuradores do caso estão de férias.

Os Pataxós Hã Hã Hães precisam de nossa ajuda. Perderam as terras em que viviam, em Brumadinho e Bicas, atingidas pela tragédia do rompimento da barragem da Vale. Ficaram sem o rio e a mata, suas fontes de sobrevivência, com um agravante: o risco que corriam as crianças de se contaminarem na lama em que se transformaram as águas da região.

Ao contrário dos que são chamados simplesmente Pataxós, não têm hábitos urbanos, como atividades de turismo e venda de artesanato. Vieram para a periferia de BH, até conquistarem novas terras. Passaram a viver do auxílio mensal que a Vale estava dando, com o qual alugaram barracões, espalhados em bairros e vilas distantes.

Este mês, a Vale rompeu o Termo de Ajustamento de Conduta e parou de pagar o acertado. Os Pataxós Hã Hã Hães estão sendo ameaçados de despejo e sem dinheiro para comprar comida e material de limpeza. Mesmo sendo um povo altivo, não têm como evitar a solidariedade material neste momento, para garantir a sobrevivência.

As contribuições podem ser feitas da seguinte forma:


DOAÇÃO DE ALIMENTOS E MATERIAL DE HIGIENE
Posto de Coleta: EXPOARTE
Av. dos Andradas, 3760 2º piso
Pompéia | Belo Horizonte

DEPÓSITOS e TRANFERÊNCIAS


CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Ag. 01640 Op. 013
Cc.000860051194-0
Heraldo Leite Carlos
CPF 465.313.356-53
PIX: coletivonaopassara@gmail.com

Saudações tribais!

Leia sobre a Crise Urbana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *