O que muda com o novo marketing

Content-Marketing-Speech-BubbleNovos consumidores, novo marketing

Enquanto a economia patina, lojas são fechadas e grandes empresas parecem não entender o que está acontecendo, o e-commerce (ou comércio eletrônico, em bom português) segue crescendo e a preferência.

A previsão para este ano é de um crescimento de 18% em relação ao ano passado com um faturamento de R$ 56,8 bilhões. Os números são da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico). O ano deve registrar 190,9 milhões de pedidos nas lojas virtuais,

Comércio eletrônico deve crescer 18% em 2016

Só que com as compras via internet, mudaram alguns hábitos e, com isso, velhos conceitos e métodos de marketing e publicidade estão ficando para trás.

Hoje em dia, dois conceitos estão cada vez mais disseminados: Marketing de Conteúdo e Inboud Marketing. Todos os dois buscam aproveitar melhor a captação de clientes por meio dos mecanismos de buscas, uma vez que agora o consumidor é que procura as empresas e não, apenas e tão somente ao contrário.

Confira algumas estatísticas que definem as mudanças de comportamento do consumidor:

  • 75% das pessoas não acreditam em anúncios;
  • 60% dos consumidores se sentem mais confiantes a respeito de uma companhia depois de ler conteúdo personalizado em seu site;
  • 93% das experiências online começam com uma ferramenta de busca;
  • 84% das pessoas de 25 a 34 anos abandonam um site favorito por causa de anúncios intrusivos – pop-ups, principalmente;
  • 68% dos consumidores vão às redes socais para lerem publicações sobre produtos.

Além disso, há outras constatações, via estatísticas

  • O Inbound Marketing é responsável por mais de 90% dos cliques na internet enquanto o Outbound Marketing fica com os outros 10%;
  •  O Inbound Marketing custa 62% mais barato do que o Outbound Marketing;
  •  Empresas que utilizam blogs conseguem 97% mais links apontando para seu website;
  • 275% é o ROI (retorno sobre investimento) médio produzido através de estratégias de Inbound Marketing.

Quer saber mais. Entre em contato. Será um prazer trocar ideias e tirar suas dúvidas

Fale conosco pelo  falecom@webmilk.com.br

(Fonte: Hub Spot)

14 erros a evitar na hora de escrever

Este texto já foi publicado. Provavelmente, republicado e ‘tre-publicado’. Mas resolvi usar como meio de ilustrar a importância de um bom conteúdo. Principalmente, agora que estou reposicionando a WebMilk e investindo neste ponto, que desponta como fundamental daqui por diante

E, nesta época em que os robôs já ensaiam seis primeiros textos, mais que nunca ser humano é que vai fazer a diferença. Conteúdo com conteúdo. Eis a questão. Máquinas nunca poderão fazer isso.

Ou como dizem: “O Conteúdo é o rei”. conteudo-rei2-300x1761

Então, assim, seguem “14 erros que você não deve cometer…”

 

“1. Evite repetir a mesma palavra, porque essa palavra vai se tornar uma palavra repetitiva e, assim, a repetição da palavra fará com que a palavra repetida diminua o valor do texto em que a palavra se encontre repetida!

2. Fuja ao máx. da utiliz. de abrev., pq elas tb empobrecem qquer. txt ou mensag. que vc. escrev.

3. Remember: Estrangeirismos never! Eles estão out! Já a palavra da língua portuguesa é very nice! Ok?

4. Você nunca deve estar usando o gerúndio! Porque, assim, vai estar deixando o texto desagradável para quem vai estar lendo o que você vai estar escrevendo. Por isso, deve estar prestando atenção, pois, caso contrário, quem vai estar recebendo a mensagem vai estar comentando que esse seu jeito de estar redigindo vai estar irritando todas as pessoas que vão estar lendo!

5. Não apele pra gíria, mano, ainda que pareça tipo assim, legal, da hora, sacou? Então joia. Valeu!

6. Abstraia-se, peremptoriamente, de grafar terminologias vernaculares classicizantes, pinçadas em alfarrábios de priscas eras e eivadas de preciosismos anacrônicos e esdrúxulos, inconciliáveis com o escopo colimado por qualquer escriba ou amanuense.

7. Jamais abuse de citações. Como alguém já disse: “Quem anda pela cabeça dos outros é piolho”. E “Todo aquele que cita os outros não tem ideias próprias”!

escrita-com-pena

8. Lembre-se: o uso de parêntese (ainda que pareça ser necessário) prejudica a compreensão do texto (acaba truncando seu sentido) e (quase sempre) alonga desnecessariamente a frase.

9. Frases lacônicas, com apenas uma palavra? NUNCA!

10. Não use redundâncias, ou pleonasmos ou tautologias na redação. Isso significa que sua redação não precisa dizer a mesmíssima coisa de formas diferentes, ou seja, não deve repetir o mesmo argumento mais de uma vez. Isso que quer dizer, em outras palavras, que não se deve repetir a ideia que já foi transmitida anteriormente por palavras iguais, semelhantes ou equivalentes.

11. A hortografia meresse muinta atensão! Preciza ser corrijida ezatamente para não firir a lingúa portuguêza!

12. Não abuse das exclamações! Nunca!!! Jamais!!! Seu texto ficará intragável!!! Não se esqueça!!!

051126_irritado
13. Evitar-se-á sempre a mesóclise. Daqui para frente, pôr-se-á cada dia mais na memória: “Mesóclise: evitá-la-ei”! Exclui-la-ei! Abominá-la-ei!”

14. Muita atenção para evitar a repetição de terminação que dê a sensação de poetização! Rima na prosa não se entrosa: é coisa desastrosa, além de horrorosa!”

(Heraldo Leite)

O que pensam os profissionais de Comunicação

icon-908163_640

O que pensam os profissionais de comunicação do Brasil a respeito de novas tecnologias, fim dos jornais impressos, declínio do Facebook e outros assuntos.

Este foi o tema de uma das pesquisas realizada pela Tracto, agência especializada em Content Marketing (ou Marketing de Conteúdo)

Eis o que resumidamente pensam os profissionais de comunicação do Brasil.

  • Assessoria de imprensa não é mais a principal atividade de comunicação corporativa
  • Para uma empresa fazer uma boa comunicação, não basta ter uma fan page no Facebook
  • Blog corporativo é forte em outros países, mas não pegou no Brasil
  • As mídias sociais não vão substituir os veículos de comunicação
  • Um assessor de imprensa eficiente faz um trabalho qualitativo em vez de enviar releases por e-mail para uma grande quantidade de jornalistas
  • Empresas precisam produzir conteúdo útil para seus públicos
  • Os veículos de comunicação impressos não morreram.

As informações são da Tracto, levantadas após uma enquete com 700 profissionais de comunicação em maio de 2015.

E hoje? Este pensamento e percepções mudaram?
Opine.

O site da Tracto é www.tracto.com.br

Quem disse que o Facebook é (totalmente) gratuito?

facebookCom um número cada vez maior de marcas, produtos e serviços disputando espaço, “curtidas” e “curtidores”, além da disseminação de conteúdo, o Facebook está perdendo o alcance orgânico –   a grosso modo, espontâneo, ao contrário das publicações pagas.

Este alcance já foi de 16%. Ou seja, uma fan page com 10 mil fãs poderia esperar que 1.600 pessoas vissem a publicação. No final de 2012, o número caiu para 12% e hoje está em 6,5%. Especialistas norte-americanos em redes sociais preveem que não vá demorar para esse índice ser inferior a 1%.

A lógica é simples: aumentou a concorrência, caiu o alcance. Para vencer esta resistência, basta pagar para promover o conteúdo. Ou no mais simples dos axiomas do marketing: cria-se a necessidade para depois vender a solução.

Segundo o diretor de Content Marketing da Tracto, Cassio Politi, “o mercado brasileiro vai provavelmente sofrer mais o impacto das mudanças do Facebook. Existe por aqui uma monocultura dessa rede social. Muitas empresas acreditaram – e algumas ainda acreditam – que estar no Facebook basta.”

No entanto, Cassio cita outro especialista – o norte-americano Jay Baer – que alinha quatro orientações:

1) Melhore no Facebook publicando coisas que mereçam a atenção
2) Pague para jogar
3) Conquiste clientes e/ou colaboradores que transportem a sua carga de mensagem no Facebook
4) Comece a construir uma comunidade em algum outro lugar

Para ser eficaz, uma empresa precisa muito mais do que uma mera ferramenta de publicação. Ela precisa de estratégia de conteúdo com premissas, operação e, principalmente, resultados.

(Com Tracto – Content Marketing)

Estratégias em Redes Sociais em BH: inscrições abertas

Estão abertas as inscrições para a oficina Estratégias de Comunicação em Redes Sociais, que será realizada em Belo Horizonte, no dia 31 de de maio (sábado).

A oficina aborda não somente as redes populares, como Facebook, Twitter, Pinterest e YouTube, mas faz principalmente a conexão delas com outras táticas de content marketing, como e-mail, eventos online, infográficos, e-books etc.

Redes-Sociais-como-gerar-conteúdo-e-mensurar-resultados

Será a primeira vez que a Tracto atua em Minas Gerais. Com sede em São Paulo, a empresa é altamente especializada em content marketing e parceira do Content Marketing Institute, de Cleveland, nos Estados Unidos.

O mesmo curso já foi realizado em São Paulo e Rio de Janeiro, em fevereiro deste ano. Nos próximos meses, terá edições em Brasília e Porto Alegre, além de BH.

Saiba mais no site da Tracto (www.tracto.com.br)

ou entre em contato pelo e-mail falecom@webmilk.com.br