Aprenda a escrever para blogs

maquina de escrever fliperama tiltEscrever para blogs é diferente de escrever para jornais e revistas? Como o acesso à internet via smartphones e tablets superou o de PC e laptops, também mudou a forma de acessar o conteúdo via Web. Os jornais dependiam de textos longos para preencher espaços. Hoje, dificilmente alguém ler um texto longo (também conhecido como textão) em um telefone, dentro do ônibus ou numa fila de espera.

Celular está em 80% das casas e PC, em 76,6%; dado do IBGE é de 2014.

Portanto, é preciso usar parágrafos mais curtos. E sintetizar seu raciocínio em vez de “encher linguiça”

Pesquisa da PRSA (sigla em inglês para Sociedade Americana de Relações Públicas) concluiu que:

  • Frases com até 8 palavras são 100% compreendidas
  • Frases com até 14 palavras são 90% compreendidas
  • Frases com 43 palavras possuem 10% de compreensão

Leia mais no site da entidade (http://prsay.prsa.org/2009/01/14/how-to-make-your-copy-more-readable-make-sentences-shorter/)

Velocidade

Com a famosa correria do dia a dia e o excesso de informações, a velocidade de leitura também passa a ser estudada.

Na média, uma pessoa lê de 200 a 400 palavras por minuto. Logo, um texto com mil palavras leva 5 minutos para ser lido.

Quer saber qual é a sua velocidade de leitura. Veja no site abaixo que tem opção em português.

http://spritzinc.com/

Mais números

Em 2014 pelo menos 20% dos brasileiros não leram um livro sequer. Aqui na internet, os números também não são animadores. A maioria dos internautas só lê 50% do conteúdo de um post. Nâo é à toa que as pessoas avisam que se trata de um ‘textão’

Assim, o conteúdo de um blog tem de ser direto, claro, objetivo, mas, principalmente, educativo.

Outra dica para aprender a escrever para blogs: conteúdo bom é aquele que as pessoas têm vontade em compartilhar com outras pessoas.

14 erros a evitar na hora de escrever

Este texto já foi publicado. Provavelmente, republicado e ‘tre-publicado’. Mas resolvi usar como meio de ilustrar a importância de um bom conteúdo. Principalmente, agora que estou reposicionando a WebMilk e investindo neste ponto, que desponta como fundamental daqui por diante

E, nesta época em que os robôs já ensaiam seis primeiros textos, mais que nunca ser humano é que vai fazer a diferença. Conteúdo com conteúdo. Eis a questão. Máquinas nunca poderão fazer isso.

Ou como dizem: “O Conteúdo é o rei”. conteudo-rei2-300x1761

Então, assim, seguem “14 erros que você não deve cometer…”

 

“1. Evite repetir a mesma palavra, porque essa palavra vai se tornar uma palavra repetitiva e, assim, a repetição da palavra fará com que a palavra repetida diminua o valor do texto em que a palavra se encontre repetida!

2. Fuja ao máx. da utiliz. de abrev., pq elas tb empobrecem qquer. txt ou mensag. que vc. escrev.

3. Remember: Estrangeirismos never! Eles estão out! Já a palavra da língua portuguesa é very nice! Ok?

4. Você nunca deve estar usando o gerúndio! Porque, assim, vai estar deixando o texto desagradável para quem vai estar lendo o que você vai estar escrevendo. Por isso, deve estar prestando atenção, pois, caso contrário, quem vai estar recebendo a mensagem vai estar comentando que esse seu jeito de estar redigindo vai estar irritando todas as pessoas que vão estar lendo!

5. Não apele pra gíria, mano, ainda que pareça tipo assim, legal, da hora, sacou? Então joia. Valeu!

6. Abstraia-se, peremptoriamente, de grafar terminologias vernaculares classicizantes, pinçadas em alfarrábios de priscas eras e eivadas de preciosismos anacrônicos e esdrúxulos, inconciliáveis com o escopo colimado por qualquer escriba ou amanuense.

7. Jamais abuse de citações. Como alguém já disse: “Quem anda pela cabeça dos outros é piolho”. E “Todo aquele que cita os outros não tem ideias próprias”!

escrita-com-pena

8. Lembre-se: o uso de parêntese (ainda que pareça ser necessário) prejudica a compreensão do texto (acaba truncando seu sentido) e (quase sempre) alonga desnecessariamente a frase.

9. Frases lacônicas, com apenas uma palavra? NUNCA!

10. Não use redundâncias, ou pleonasmos ou tautologias na redação. Isso significa que sua redação não precisa dizer a mesmíssima coisa de formas diferentes, ou seja, não deve repetir o mesmo argumento mais de uma vez. Isso que quer dizer, em outras palavras, que não se deve repetir a ideia que já foi transmitida anteriormente por palavras iguais, semelhantes ou equivalentes.

11. A hortografia meresse muinta atensão! Preciza ser corrijida ezatamente para não firir a lingúa portuguêza!

12. Não abuse das exclamações! Nunca!!! Jamais!!! Seu texto ficará intragável!!! Não se esqueça!!!

051126_irritado
13. Evitar-se-á sempre a mesóclise. Daqui para frente, pôr-se-á cada dia mais na memória: “Mesóclise: evitá-la-ei”! Exclui-la-ei! Abominá-la-ei!”

14. Muita atenção para evitar a repetição de terminação que dê a sensação de poetização! Rima na prosa não se entrosa: é coisa desastrosa, além de horrorosa!”

(Heraldo Leite)

Tablet ultrapassa vendas de desktop e notebook

Print

 

O Brasil vendeu mais tablets do que notebooks e computadores de mesa pela primeira vez no ano de 2013, de acordo com dados apurados pela consultoria de tecnologia IDC.

As lojas brasileiras comercializaram 8,4 milhões dos aparelhos sem teclado, um salto de 157% em relação ao volume total vendido em 2012. Os tablets haviam superado os computadores de mesa (desktops) ainda no segundo trimestre de 2013 (1,9 milhão contra 1,5 milhão).

Pela sua mobilidade, os tablets exigem mais acesso remoto. Também é fundamental levar em conta estas características na elaboração de seu conteúdo.

Segundo especialistas, uma das mudanças no conteúdo é a inversão na proporção de fotos e texto é prevista pelos especialistas. Enquanto revistas utilizam duas ou três fotos para cada 10 mil palavras, nos tablets deverá haver 15 a 20 fotos para cada 800 palavras.

 

web - internet

No mundo

A virada no mercado de microcomputadores chega ao Brasil com um ano de atraso em relação ao que já havia acontecido com o resto do mundo. Em 2012, as vendas globais de tablets (60 milhões) ultrapassaram as de notebooks (50 milhões) e de desktops (36,5 milhões).

(Com informações do G1 e da Tracto)