TRACBEL e Metso : parceria e crescimento

Luiz Gustavo Magalhães, CEO do TRACBEL Grupo
Luiz Gustavo Magalhães, CEO do TRACBEL Grupo
João Ney Colagorssi, presidente mundial da divisão Mineração e Agregados da Metso
João Ney Colagrossi, presidente mundial da divisão Mineração e Agregados da Metso

 

“Em 2017 o preço do minério de ferro atingirá um equilíbrio entre a demanda do mercado  e a capacidade de produção”, afirmou, nesta terça (5/5), em Belo Horizonte, o presidente mundial da divisão de Mineração e Agregados da Metso, João Ney Colagrossi Ele citou informações fornecidas pelos serviços de Inteligência de Mercado da Metso ao analisar que a queda se deve a uma situação anterior na qual trabalhava-se com “preços irreais”. Mas, segundo ele, “o mercado não está morto.”

Executivo com experiência internacional, João Ney garantiu que está acostumado com os ciclos econômicos e disse que esteve recentemente na Índia, onde observou uma “atmosfera positiva de negócios com a posse do novo primeiro-ministro [Narendra Modi, empossado em maio do ano passado]”. E afirmou: “Momentos de crise separam os homens dos meninos”.

João Ney Colagrossi, da Metso, esteve em BH para assinar um convênio de parceria com a TRACBEL, com sede em Minas Gerais, que passa a ser o representante da marca nos estados de Minas, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Tocantins, Goiás e Distrito Federal.

Também atento a números e a oportunidades de mercado, o principal executivo do TRACBEL Grupo, Luiz Gustavo de Magalhães Pereira, afirmou que “apesar de todas as dificuldades, o país não está parado”. Segundo ele, “há os momentos de plantar e de investir. Lá na frente vamos colher os resultados”.

AGREGADOS

A Metso lidera o mercado de equipamentos no setor de mineração, mas é no segmento de agregados para a construção civil (pedra, areia e cascalho)que volta os seus olhos para o mercado brasileiro. “O mercado de mineração depende de preços internacionais e tem cinco players. Apostamos no setor de agregados já que a maioria das cidades brasileiras tem uma planta ou pedreira produzindo material largamente utilizado na construção civil”, explicou o presidente da Metso, João Ney.

Segundo o executivo da Metso, este setor depende menos da grandes decisões econômicas e tem mais fôlego local. Neste sentido, a experiência da TRACBEL contou na escolha da parceria. “Eles falam a linguagem local”, definiu.

Para Luiz Gustavo Magalhães, da TRACBEL, a parceria vai aprimorar a prestação de serviços no pós-venda, segmento em que a empresa mineira vem se destacando ao longo dos últimos anos. “Hoje 55% dos nossos serviços estão voltados para o pós-venda”, informou. “Nosso foco está naquilo que o mercado chama de ‘up time’, ou seja, o proprietário quer a máquina rodando”.

NOVOS INVESTIMENTOS

As duas empresas também anunciaram mais investimentos. Enquanto o TRACBEL Grupo planeja a construção de um centro de distribuição de peças e uma central de manutenção em Bebedouro, no interior paulista,  a Metso também prepara a construção de uma nova unidade, que deverá ocupar uma área de 25 a 30 mil metros quadrados, próximo a Ipatinga.

PERFIL

A Metso faz parte de uma estrutura de 14 mil profissionais (em nível global) e tem presença em 50 países. No ano passado, a corporação apresentou um faturamento de 3.7 bilhões de euros em vendas líquidas e um aumento de 55% das vendas de ordens de serviços.

No Brasil, a Metso atua desde 1919 e desde a década de 60 tem uma unidade industrial em Sorocaba (SP). Emprega 1.600 pessoas, sendo que 55% deste total está voltado para a área de serviços.

A TRACBEL, por sua vez, tem uma estrutura que cobre 70% do território brasileiro e a experiência acumulada de 47 anos de atuação em diversos mercados, com destaque para o de agregados, que é foco do acordo.

A empresa, sediada em Contagem (MG), representa outras marcas líderes, incluindo a Volvo Construction Equipment, Volvo Penta, Atlas Copco, Michelin, Massey Ferguson, SP Maskiner e Tigercat.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *